Activismo e Voluntariado

Na rua com presença disruptiva e conversa produtiva

És vegan@ ou estás em fase de transição? Tens vontade de ser a voz dos animais cruelmente explorados, expondo o que se passa nos bastidores da indústria de produção de animais para consumo humano? Queres fazer a diferença partilhando informação factual, valores éticos e uma consciência de compaixão para com todos os seres sencientes? Nesse caso junta-te a nós para sensibilizar e abordar o público em geral através de activismo de rua.

A nossa típica acção de rua passa por nos posicionarmos num local amplo, com muita afluência de público, passando mensagens e imagens em vídeos e cartazes segurados por activistas em formação.

Curiosas as pessoas aproximam-se, ficando intrigadas ou incomodadas com as imagens. Quando alguém está mais de um minuto a consumir a informação é abordado por um(a) activista que faz o papel de outreacher. @ outreacher vai falar com essa pessoa levando-a a ponderar o que são as imagens, o que fazemos ali e o que tem ela a ver com estamos a expor.

No final da conversa, se sentirmos recetividade à exploração mais profunda do tema, fornecemos um cartão que compila os principais pontos de informação que potenciam uma transição ao veganismo.

Estas conversas podem demorar poucos ou longos minutos, muitas delas despertam a consciência e compaixão dormente, levando ao reconhecimento de que a adoção do veganismo é solução viável, ao alcance de todos, para a libertação animal, a melhoria da saúde e uma existência mais sustentável.

A nossa organização

Não temos uma hierarquia definida. Funcionamos como uma comunidade, cada vez maior, em todo o mundo. Estamos abertos a quem queria organizar, participar ou simplesmente dar sugestões de melhoria.

Vestuário e materiais

Não existem códigos de vestuário estipulados, as máscaras e cartazes podem ser diversos, fornecidas pela organização ou trazidos pelos activistas. Caso possas traz um portátil para passar os vídeos.

Postura e código de conduta

Apenas veganos com conhecimento e confiantes no seu poder de argumentação devem fazer outreach. @s outreachers, devem ter sempre uma abordagem pacífica e compassiva, a favor da libertação animal.

Apesar de não existir um código de vestuário a experiência diz-nos que as conversas podem ser mais produtivas se as nossas roupas não derem pistas sobre veganismo. Queremos levar as pessoas a pensar numa solução, não a identificar-nos de imediato com o veganismo, que poderá fazer com que não nos abordem devido ao estereótipo que tenham a ele associado.

Queremos criar dúvida, curiosidade, para potenciar abordagens de esclarecimento e assim conduzi-las a elas próprias chegarem aos valores do veganismo como a única solução. Nesses momentos de epifania entregamos um cartão com muita informação que ajudará à transição.

Apenas veganos com conhecimento e confiantes no seu poder de argumentação devem fazer outreach. Se queres fazê-lo mas se ainda não sentes prontidão pede para acompanhares um dos outreachers e assim “aprenderes” e teres suporte nas tuas primeiras abordagens. Periodicamente fazemos acções de formação para quem queira desenvolver estas capacidades muito úteis também no dia-a-dia.

As pessoas vegetarianas, ou em transição, estão também convidadas a fazerem parte destas acções.

Não devemos responder a comentários insultuosos ou agressivos por parte de quem passa, e, caso alguém aja com desrespeito, @ outreacher deve terminar rapidamente a conversa, sempre com respeito e educação.

Caso algum dos voluntários perceba que uma criança, não acompanhada, está a visualizar imagens violentas num dos monitores, deverá aproximar-se e perguntar pelos pais de forma a obter permissão para essa visualização.

Quem fizer parte da acção receberá uma máscara de rosto, poderá optar por usá-la ou não, quando em formação. Não usar máscara potenciará abordagem por parte do público pelo que recomendamos que apenas quem esteja pronto para outreaching tome esta opção.

Quem esteja em formação receberá também um laptop ou um cartaz. @s voluntári@s devem manter a postura, independentemente da música e ocorrências durante a acção.

Antes, durante e depois das acções falaremos como grupo avaliando qual a melhor estratégia para o local e fluxo de pessoas. Se algo não está a resultar, alteramos, se surgem novas ideias que convencem a maioria, testamos, aumentando desta forma a eficácia das próximas acções.

Para maior facilidade de colaboração temos um grupo de whatsapp a partir de onde nos coordenamos nos momentos prévios relativos à acção.


Os fracos usam a força, os fortes usam o diálogo. Os fracos dominam os outros, os fortes promovem a liberdade.

Augusto Cury


Vamos salvar vidas animais juntos?

%d bloggers like this: